terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Carta a São Paulo



Por Luiza Erundina – Prefeita da Cidade de São Paulo – 25 de janeiro de 1991

“Parabéns São Paulo pelos teus 437 anos de história!
História que se escreve, dia após dia, pelos milhões e milhões de cidadãos que aqui nasceram ou que para cá vierem.
Muitos vieram premidos pela necessidade de sobrevivência. Outros, sonhando com a felicidade ou em busca de aventura.
A todos tu acolhes com a generosidade que te é característica e, ao mesmo tempo, com os desafios próprios de quem tem a vocação de ir na frente construindo, no presente, os alicerces do próprio futuro, do qual depende o futuro da nação.
Tu fazes isto, São Paulo, com o arrojo provocado pelo lema que te inspira! Nun ducor, duco.   
Idêntica ousadia tu exiges de cada um de teus cidadãos.
Desde que aqui cheguei me dei conta de que teria que ser forte se quisesse sobreviver aos terríveis embates que se travam dentro e fora de tuas fronteiras.
Entendi, desde logo, que esta era a contrapartida que eu teria que dar pelas oportunidades de realização que tu me oferecias.
Lembro-me bem quando aqui cheguei no dia 28 de janeiro de 1971, há exatamente 20 anos.
 É como se fosse hoje.
A sensação mais forte que experimentei, ao pisar teu chão e ao percorrer tuas ruas e avenidas, era de alguém muito estranha e terrivelmente só.
Ao mesmo tempo, me sentia invadida pelas mensagens sem conta de teus anúncios luminosos, se chocando com as imagens e sons trazidos na memória e misturados à saudade sem fim dos que deixara lá longe.
Até lembranças da infância afloravam aos borbotões, me atordoando e me trazendo de volta um passado distante como aquela noite em que, ainda muito criança, vi a luz elétrica pela primeira vez.
Levei um tempo, São Paulo, para me adaptar ao ritmo do teu dinamismo.
Hoje, não sei viver noutro lugar, depois de ter transplantado minhas Raízes no solo fecundo do teu chão.
Diferentemente de quando aqui cheguei, é aqui que me sinto em casa e para onde tenho pressa de voltar.
Tu mesmo mudaste muito nessas duas últimas décadas.
Já vai muito longe o tempo em que o frio intenso dos teus dias de garoa fazia o tormento dos que aqui chegaram e eram obrigados a se amontoar nas favelas e cortiços que, infelizmente, ainda hoje são a parte triste e feia do teu cenário.
Contrastando com isso, crescem teus parques e áreas verdes, revelando o despertar da consciência ecológica da tua gente e a descoberta da natureza como o dom maior de Deus à humanidade.
Sabe outra coisa que em ti me encanta? É a variedade das raças, de culturas e de tipos humanos que formam teu povo.
Aqui, como em nenhum lugar do mundo, existem as melhores condições para se construir uma sociedade solidária, sem preconceitos e discriminações e onde a fraternidade seja a base das relações humanas.
Tu és a cidade dos 1000 povos e, em nome de todos eles quero te saudar no dia da tua festa, desejando que as comemorações que marcam esta data se transformem no mais veemente apelo à paz, dirigido a todas as nações do mundo.”     

2 comentários:

  1. Sinto saudade de sua administração! Sinto saudade de você. Seu modo singular de dirigir a vida.Diante de tantas atrocidades políticas, em você deposito minha confiança.
    Forte abraço!
    Drausio Vicente Camarnado Junior

    ResponderExcluir
  2. Um alento retornar a essa visão de São Paulo, que é real, mas parece tão distante hoje em dia. Também tenho saudade, mais pelo registro, porque não acompanhava política na época, era criança. Lembro dos shows no MASP, do início da coleta seletiva (que parou) e dos ônibus melhorando. Hoje em dia, conhecendo o secretariado da sua gestão dá para perceber o que estava em curso.
    Um abraço e meu respeito.

    ResponderExcluir